Em Ubá: Polícia Civil prende em flagrante suspeito de tráfico de drogas

Na quinta-feira (11), a Polícia Civil de Minas Gerais prendeu em flagrante delito um jovem, de 21 anos, pelo cometimento do crime de tráfico de drogas. Foram apreendidos nove pinos de cocaína, duas porções grandes da mesma droga, um tablete e uma bucha de maconha, 67 pinos vazios, um automóvel VW GOLF dourado e uma motocicleta HONDA CG preta.

As investigações apontam que o suspeito estaria realizando o comércio e a distribuição de drogas na região dos bairros Industrial, Paulino Fernandes, Mangueira Rural e adjacências.

Após levantamentos da rotina do preso, a equipe conseguiu capturá-lo enquanto transportava uma porção de cocaína. Ele conduzia uma motocicleta HONDA CG, cor preta, e foi preso próximo ao bairro Mangueira Rural.

Durante as diligências, os policiais civis foram também ao apartamento do suspeito, onde encontraram cocaína, maconha e um caderno contendo a contabilidade do tráfico de drogas.

O material foi apreendido para análise pericial. Já o suspeito foi levado à 2ª Delegacia Regional de Polícia Civil em Ubá e, depois de ouvido, encaminhado ao Sistema Prisional.

Com informações da Assessoria de Comunicação – PCMG – NOTÍCIAS-4DPC
Publicado em 12 de janeiro de 2018

CGU identifica acúmulo irregular em 44 mil benefícios do INSS


O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) identificou irregularidades em 44,6 mil benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), entre aposentadorias, auxílios e pensões. Esses pagamentos consomem R$ 37 milhões do governo federal por mês e totalizam uma despesa de R$ 484 milhões ao ano.

A acumulação de benefícios é proibida por diversas normas. A Lei 8.213, de 1991, por exemplo, veda o recebimento de duas aposentadorias ou de aposentadoria mais auxílio-doença. O Decreto 83.080, de 1979, impede a concessão de assistência ao trabalhador rural a um beneficiário que já esteja em outro regime da Previdência Social.

A CGU examinou 96 tipos de benefício na folha de pagamento de março de 2017. Dos 44,6 mil com problemas, 13 mil já estão em situação de decadência (são repassados há mais de 10 anos) e devem ser extintos. Os 31 mil restantes que ainda podem ser corrigidos e representam uma despesa anual de R$ 336 milhões.

As maiores irregularidades foram encontradas nos acúmulos indevidos de auxílio-acidente e aposentadoria (12,8 mil casos), auxílio-doença e auxílio-acidente (8,3 mil) e duas concessões de pensão por morte (7,1 mil). Além dessas, há ainda situações de pessoas recebendo duas aposentadorias, somando esse benefício com auxílio-doença ou recebendo duas assistências voltadas ao trabalhador rural.

Providências

O resultado da investigação da CGU foi enviado ao INSS com pedido de interrupção dos benefícios acumulados indevidamente e a devolução dos valores aos cofres públicos. A controladoria também recomendou a melhoria nos sistemas de gestão de informações nos quais são feitos os pagamentos para identificar problemas e evitar novas irregularidades.

A CGU deu prazo até 30 de janeiro para que o INSS apresente um plano de ação com as medidas a serem adotadas para solucionar as questões identificadas. A Agência Brasil procurou o instituto, mas não obteve retorno.

O relatório da investigação também foi enviado ao Ministério Público Federal, ao Tribunal de Contas da União e à Polícia Federal, que poderão adotar providências caso as irregularidades não sejam sanadas.

Fonte: Agência Brasil
Publicado em 10 de janeiro de 2018

Cataguases: PCMG prende suspeito de ser integrante de quadrilha especializada em roubo de carga de cigarros

Na quinta-feira (04), a Polícia Civil de Minas Gerais efetuou a prisão de um jovem de 24 anos, iniciando a desarticulação de uma quadrilha especializada em roubo de carga de cigarros. Policiais civis da 27ª Delegacia de Polícia de Cataguases, com o apoio do Departamento Estadual de Operações Especiais (Deoesp), deflagraram a ação nos municípios de Betim, Sete Lagoas e Ibirité.

O autor e seus comparsas seriam responsáveis pelo roubo à mão armada ocorrido em Cataguases, no dia 28 de setembro de 2017. Na ocasião, dois funcionários da Souza Cruz que transportavam cigarros foram rendidos pela quadrilha que, mediante grave ameaça e emprego de arma de fogo, subtraiu a carga avaliada em mais de R$ 160 mil.

Outro investigado, de 24 anos, encontra-se com mandado de prisão em aberto, mas está foragido da Justiça. Conforme informações do Delegado Diego Mattos de Vilhena, a quadrilha é suspeita de ser a responsável por diversos assaltos a cargas ocorridos em outros municípios do Estado. As investigações continuam em andamento. Outros indivíduos já foram identificados e terão suas prisões solicitadas junto ao Poder Judiciário.

Com informações da Assessoria de Comunicação – PCMG – NOTÍCIAS-4DPC
Publicado em 05 de janeiro de 2018

Preços da gasolina e do diesel terão a primeira variação de 2018 amanhã

O preço da gasolina comercializada nas refinarias terá uma redução de 0,1% nesta quarta-feira (3), de acordo com informação divulgada pela Petrobras. O diesel, por sua vez, terá um aumento de 0,6%. É a primeira variação de preço dos dois combustíveis em 2018. A última oscilação ocorreu no sábado (30 de dezembro), quando a gasolina aumentou 1,9% e o diesel 0,4%.

As variações de preço fazem parte do modelo de reajustes frequentes praticados pela Petrobras, “em busca de convergência no curto prazo com a paridade do mercado internacional”, segundo a estatal.

“Analisamos nossa participação no mercado interno e avaliamos frequentemente se haverá manutenção, redução ou aumento nos preços praticados nas refinarias. Sendo assim, os ajustes nos preços podem ser realizados a qualquer momento, inclusive diariamente”, acrescenta a empresa.

O preço final ao consumidor, nas bombas, dependerá de cada empresa revendedora e dos próprios postos de combustíveis.

Fonte: Agência Brasil
Publicado em 02 de janeiro de 2018

Empresas americanas prometem recorrer contra o fim da neutralidade de rede

A decisão tomada pela Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos (FCC, sigla em inglês) que acabou com a neutralidade de rede – regra que garantia internet livre e aberta para todos os usuários nos EUA – colocou os provedores de serviço de internet e as companhias que controlam redes sociais e serviços de conteúdo em lados opostos. Facebook, Amazon e Netflix prometeram acionar o Congresso para reverter a medida.

Por outro lado, a revogação teve amplo apoio entre as companhias americanas Comcast, Verizon e AT&Tm que atuaram junto ao governo de Donald Trump a favor do fim da neutralidade da rede. A medida só entrará em vigor no próximo ano e até lá as empresas contrárias prometem se aliar a entidades de proteção civil para tentar barrar a mudança na Justiça e provocar o Congresso para votar uma medida que devolva o acesso igualitário à rede mundial de computadores.

Além da via judicial, há a chance de devolver a neutralidade da rede por meio do Congresso. E entidades de direitos civis já se articulam nas redes sociais para tal. O site de petições on line Change.org, por exemplo, já recolheu quase 3 milhões de assinaturas na internet para que a mudança seja revertida. E parlamentares democratas também já se articulam para levar o assunto ao Congresso.

Em Nova York

Em outra frente, o procurador geral de Nova York, Eric Schneiderman, disse nessa quinta-feira (14) que irá recorrer à Justiça para reverter o fim da neutralidade de rede. “Os nova-iorquinos merecem uma Internet livre e aberta e é por isso que vamos acionar à Justiça […], para preservar a proteção para não só nova-iorquinos, como para todos os americanos”, afirmou.

Além do procurador de Nova York, entidades de direitos civis comentaram a medida. O diretor da ONG Busca por Progresso, Mark Stanley afirmou em entrevista à Reuters que a revogação da medida confundiu algumas pessoas que associam a revogação ao início de uma era de censura pelo governo.

“A neutralidade da rede não tem absolutamente nada a ver com o controle governamental da internet, mas significa que os provedores de serviços de internet, como a Comcast e a Verizon, não podem controlar o que vemos e fazemos on-line e como nos comunicamos. Eles não podem bloquear determinados sites, ou deixar o serviço lento”, afirmou Stanley.

Mas, segundo ele, com a mudança, as operadoras vão poder “limitar o acesso e usar censores online para monitorar acessos. A neutralidade da rede tem em seu núcleo a liberdade de expressão”, disse.

Prejuízo

A representante do Facebook, Sheryl Sandberg, disse que a decisão da FCC prejudica muito a internet aberta e o empreendedorismo na rede. “Estamos prontos para trabalhar com os membros do Congresso e outros para ajudar a tornar a internet livre e aberta para todos”, disse ela. Muitas companhias estão usando a hashtag #netneutrality para repudiar a decisão da FCC.

O chefe de tecnologia da Amazon.com (empresa transnacional de comércio eletrônico), Werner Vogels, repudiou no Twitter a decisão da FCC. “Estou extremamente desapontado com a decisão da FCC de remover as proteções. Continuaremos a trabalhar com nossos pares, parceiros e clientes para encontrar formas de garantir uma internet aberta e justa que possa continuar a impulsionar a inovação maciça”, comentou.

O representante legal da Microsoft, Brad Smith, disse que a internet aberta beneficia consumidores, negócios e toda a economia.

Já a Netflix declarou em um comunicado no Twitter que a empresa está decepcionada “com a decisão de destruir as proteções da neutralidade de rede que haviam inaugurado [em 2015] uma era de inovação, criatividade e envolvimento cívico”, A Netflix também afirmou que este é o começo “de uma batalha legal mais longa e que “está em pé com inovadores, grandes e pequenos, para se opor a esta decisão equivocada da FCC”.

Outro lado

A associação dos provedores de telecomunicações e banda larga dos EUA, por sua vez, rejeitou as críticas de que irá controlar o acesso e disse que “o futuro da internet aberta está assegurado”. Em um comunicado, a associação que representa empresas como AT&T e Verizon, disse que os provedores de banda larga dos Estados Unidos apoiam a proteção da neutralidade e irão trabalhar para diminuir desigualdades de acesso. “Vamos garantir que serão feitos os investimentos necessários para reforçar o acesso, especialmente nas comunidades rurais, diz o texto.

Apesar das declarações da entidade, o fim da neutralidade preocupa porque os preços deverão sofrer mudanças, baseados nos interesses dos grupos econômicos que controlam os serviços de provimento de internet. Para analistas, os preços deverão ter um impacto real. Os provedores poderão cobrar mais para certos conteúdos, como já ocorre com os pacotes de TVs por assinatura.

Histórico

A FCC aprovou ontem, por 3 votos a 2, o fim da neutralidade de rede para operadoras de telecomunicações. A decisão foi tomada a partir de uma diretriz do governo de Donald Trump de eliminar essa regulação, aprovada sob a administração de Barack Obama em 2015.

A neutralidade de rede é um princípio segundo o qual as empresas que controlam infraestruturas de telecomunicações por onde ocorre o tráfego de dados da internet – cabos de telefone, de TV paga, satélites, antenas de transmissão de sinal de celular – não podem tratar de forma discriminatória as informações que circulam nesses espaços.

Fonte: Agência Brasil
Publicado em 15 de dezembro de 2017